Posted on

Saiba como retomar o caminho do crescimento em meio a um cotidiano atribulado Quem empreende sabe como já é difícil manter uma empresa, quanto mais fazê-la crescer. O empreendedor tem tanto para resolver no dia a dia que, uma vez atingido o ponto de equilíbrio entre os rendimentos e as despesas do negócio, acaba se ocupando apenas de questões urgentes de manutenção.

No entanto, não ter um plano de crescimento empresarial traz grandes riscos. A empresa pode perder o ponto de equilíbrio (break-even point), já que as despesas crescem com o passar do tempo. Além disso, a empresa pode perder espaço de mercado, enquanto a concorrência cresce.

Diante dessas ameaças da estagnação, o Sebrae/SC oferece algumas sugestões para colocar seu negócio de novo na rota de crescimento.

Dificuldades de gestão

A Pesquisa Desafios dos Empreendedores Brasileiros, conduzida pela Endeavor, revela um dado preocupante sobre o cenário empresarial no Brasil. Para os empresários nacionais, as maiores dores não estão em inovação ou estratégia, mas em gestão de pessoas e gestão financeira. Essas dificuldades operacionais acabam impedindo iniciativas de desenvolvimento em áreas que propiciam um verdadeiro diferencial competitivo no mercado.

Capacitar-se cada vez mais e aprimorar os processos internos são fatores indispensáveis para ter condições de se dedicar ao futuro da empresa. Inclusive, há uma correlação entre empreendedores que fazem cursos para melhorar a forma de administrar o negócio e a maior longevidade das operações, como aponta o estudo A Sobrevivência das Empresas no Brasil, do Sebrae.

Em Santa Catarina, além dos diversos cursos, programas, mentorias e eventos oferecidos pelo Sebrae/SC em prol da capacitação empresarial, vale destacar o serviço de consultoria online. Ela é feita de forma gratuita, ágil e com qualidade para ajudar na gestão de pessoas, processos, finanças e outros temas essenciais para o crescimento empresarial. Saiba como participar dos cursos online.

Identificando oportunidades e ameaças

Depois de ajustar a operação, é preciso fazer um diagnóstico correto das oportunidades e das ameaças no contexto de crescimento da empresa. Quanto mais específica for a identificação desses fatores, mais fácil será montar um plano de ação para abordá-los.

Uma ferramenta indicada para a realização desse diagnóstico é a matriz F.O.F.A., referente aos seguintes aspectos de um negócio:

Forças: do ponto de vista interno, o que a empresa possui de excelente ou em que é melhor do que a concorrência;

Oportunidades: quais são as tendências, novidades e possibilidades do setor em que atua, como a abertura a novos públicos ou lançamento de novos produtos e serviços;

Fraquezas: são as deficiências de produto ou serviço ou com relação a melhorias necessárias em estrutura ou na capacitação da equipe;

Ameaças: referem-se tanto às mudanças de comportamento do consumidor que trazem impactos negativos à empresa quanto à ação dos concorrentes.

A partir dessa análise é possível ver com maior clareza como sua empresa pode voltar a crescer. O e-book “O que sua empresa quer ser quando crescer?” do Sebrae, em parceria com a Endeavor, cita o exemplo de uma lan-house. Por mais que as forças dela sejam atendimento de qualidade e equipamentos de ponta, a ameaça trazida pela queda na procura por esse tipo de serviço é mais forte. Nesse caso, a possibilidade de crescimento estaria mais atrelada a uma mudança no modelo de negócio que ao fortalecimento de uma característica já existente.

Possibilidades de crescimento para sua empresa

Existem diversas formas de voltar a crescer, que variam desde a oferta de novos produtos ou serviços até a mudar seu ramo de atuação. Confira a seguir algumas dicas de como retomar seu crescimento, baseadas em exemplos reais.

Abrir outra unidade

Especialmente no comércio, a abertura de um novo ponto de venda pode fortalecer a marca ao expandir a oferta da empresa a um público maior. Essa medida, no entanto, deve ser bem planejada, pois as despesas também crescerão com outra unidade para manter.

Expandir sua presença na internet

Mais do que ter um site e perfis nas redes sociais, cada vez é mais necessário oferecer opções de compra pela internet. Segundo a previsão da Associação Brasileira de Comércio Eletrônico, o e-commerce deve atingir a marca de quase R$ 80 bilhões em vendas no Brasil em 2019, sendo as micro e pequenas empresas responsáveis por 29% do faturamento.

O público espera ter canais mais práticos para a compra — e a web com certeza está entre eles.

Fazer uma parceria B2B

Duas empresas podem somar forças, aproveitando-se das suas respectivas expertises e demandas para atender a um mercado maior. Um exemplo comum disso são as panificadoras que atendem hotéis e eventos, além do próprio estabelecimento, para aumentar o volume de negócios.

Oferecer produtos e serviços complementares

O que bares, cafés e uma linha de roupas têm a ver com a montagem de motocicletas? No caso da Harley Davidson, a diversificação dos pontos de contato com o consumidor foi a solução encontrada para revitalizar uma marca centenária e atrair novos clientes. Seguindo esse raciocínio, fique de olho nas necessidades de seu público-alvo para descobrir novas formas de atendê-lo.

Adotar um novo modelo de negócio

Quem vê hoje o sucesso da rede de cafeterias Starbucks, com quase 30.000 estabelecimentos pelo mundo, não imagina que o foco inicial da empresa era outro. Ela começou em 1971 como uma vendedora de máquinas de expresso e grãos de café. Então, só em 1983 surgiu a ideia de abrir um café próprio. Às vezes, um projeto paralelo é tão bem-sucedido que se torna a marca registrada do negócio.

Ficou na dúvida sobre qual caminho seguir ou precisa resolver problemas de gestão para conseguir pensar nisso? Solicite uma consultoria do Sebrae/SC e converse com um especialista a respeito da melhor forma de sua empresa voltar a crescer.