Posted on

Empresa precisa tirar anúncios de seis marcas de pílulas. Perícia do IGP apontou presença de substâncias químicas controladas nesses produtos. IGP encontrou substância sintéticas em emagrecedores analisados em SC

A 2ª Vara da Fazenda Pública de Florianópolis determinou que um site nacional de comércio eletrônico retire as propagandas e ofertas de seis marcas de falsos emagrecedores. A decisão, que é desta quarta-feira (16), cita a falta de informações claras nos produtos e a proteção da saúde do consumidor.

O site tem 48 horas para fazer a retirada, sob pena de multa diária de R$ 50 mil. O G1 não conseguiu contato com a empresa de comércio eletrônico.

Decisão

Na decisão, o juiz Jefferson Zanini cita o Código de Defesa do Consumidor, que determina o dever de informação clara sobre a composição dos produtos.

Nos rótulos, os falsos emagrecedores são vendidos como 100% naturais. Porém, análises do Instituto Geral de Perícias (IGP) provaram que as pílulas não eram feitas à base de ervas, como diziam as propagandas e vendedores. A perícia apontou a presença de substâncias químicas controladas, como a sibutramina, utilizada para tratamentos graves de obesidade, o diazepam, usado no tratamento de ansiedade, e o clobenzorex, uma anfetamina.

Essas análises do IGP foram citadas na decisão judicial e o juiz também defendeu a retirada das ofertas para resguardar a “integridade física e psíquica dos consumidores”. O comércio ilegal dos falsos emagrecedores foi tema da série de três reportagens “Pílulas Mortais”, da NSC TV.

Pedidos

O pedido de intervenção da Justiça foi feito pelo Ministério Público de Santa Catarina (MPSC). O órgão entrou com mais seis ações do poder judiciário relacionadas aos falsos emagrecedores. Esses pedidos continuam em análise.

O MPSC argumenta que as substâncias encontradas nas pílulas só podem ser comercializadas com receita e prescrição médica. O órgão busca, ainda, identificar os fabricantes dos produtos para que os responsáveis respondam criminalmente pela venda ilegal.

O Procon de Santa Catarina também se mobilizou em relação aos falsos emagrecedores. Em 1º de outubro, notificou empresas que vendem emagrecedores supostamente naturais e determinou a retirada de anúncios para comercializar os produtos. Os alvos da medida cautelar são fabricantes, vendedores e fornecedores, mas também atinge plataformas, sites e redes sociais onde esses medicamentos são vendidos sem qualquer controle.

Mortes

Em vários estados do país já foram registradas mortes e complicações de saúde em pessoas que decidiram fazer a auto medicação, o que tem deixado médicos e a polícia em alerta.

Uma mulher de 27 anos de Lages, na Serra catarinense, é uma das vítimas. Ela foi encontrada morta em abril deste ano e, segundo o IGP, a causa da morte foi a intoxicação provocada por substâncias químicas encontradas no emagrecedor supostamente natural que vinha tomando. A polícia tenta identificar essa rede de comércio em Santa Catarina.